5º dia: Ainda há espaço para finais felizes

Deixe um comentário

17 de novembro de 2014 por bossolon

Campinas. 17/11/2014

Caro diário. Essa manhã todos acordamos de ressaca, então não preciso nem dizer que, pela manhã não fomos tão produtivos. Exceto Olga e Miguel, que não beberam. Em um determinado momento, confesso que tive pena da Fabricia, porquê Miguel ficava pulando e correndo como se o mundo dependesse disso. André deu as boas noticias a sua mãe por telefone, que ficou contente. Camila entrou em contato com seus irmão (eu não contei antes, mas seus dois irmãos foram os únicos que sobreviveram). É uma infelicidade que seus familiares não possam estar conosco. Mas esperamos que o exército faça algo até o dia do casamento (que, se tudo der certo, será no fim da semana).

No período da tarde o sargento mobilizou alguns soldados para acompanharem Camila, Fabricia e Olga para ecolherem o vestido de noiva e das madrinhas. Olga faria a costura necessária, já que, aparentemente, nenhuma costureira parece ter sobrevivido. Eu, Mateus, Victor e André fomos à procura de roupas masculinas. Como não podíamos ir no shopping (porque estaria lotado de zumbis e ninguém deve ser tão burro pra ir a um shopping num apocalipse zumbi), procuramos por lojas pela cidade.

Confesso que demorou um pouco. Só encontramos algumas perto do bairro das Chacaras primavera, na parte mais rica da cidade. Como não precisávamos pagar por nada, pegamos os melhores. Olga faria a costura para nós também. Ultimamente essa senhora tem se mostrado a mais útil.

Descobrimos que existe um pastor entre os sobreviventes. Seu nome é Felipe. Ele foi resgatado de sua igreja no segundo dia, bem como nós. Estava ele e os membros de sua igreja. Mas foram salvos bem na hora. Pois eles haviam prendido algumas pessoas mordidas, pois não queriam matá-los. Essas pessoas se transformaram e iriam atacá-los. Foi bem nessa hora que o exército os salvou. Agora, Pr. Felipe está aqui, aconselhando e dando forças para as pessoas. E ele concordou em realizar o csamento.

Eu, Mateus e Victor elaborávamos planos pra arrumar tudo na catedral para o casamento. Precisamos conferir tudo pra não ter nenhum zumbi. Com a ajuda do Sargento, também elaborávamos planos pra manter os zumbis afastados. Como era numa avenida movimentada, teremos que verificar os arredores. Ele sugeriu fazermos uma barreira em volta com carros. E ônibus e até vai disponibilizar alguns soldados pra montar guarda no dia. Tinhamos muito o que fazer.

As mulheres também não eram diferentes. Fabrícia me disse que vão correr atrás dos enfeites, fazer bolo, pensar num Buffet. Isso seria ainda mais trabalho pra nós, já que nós é quem iremos la fora buscar por comidas para o Buffet. Mas todos estávamos trabalhando felizes nisso.

Nós estávamos felizes. Em pouco tempo, nossa felicidade atingiu os demais. A idéia de casamento trouxe um novo ar para todos dentro daquele lugar. Como o sargento falou, trouxe esperança de que um dia a vida continuaria normal. Era como se não existissem mais zumbis do lado de fora do muro. Como se o mundo não estivesse mais entregue ao Caos. Ou mesmo como se, mesmo nesse mundo, ainda há espaço pra finais felizes.

Fim do dia 5.

Grupo:

  • André (23)
  • Camila (21)
  • Mateus (20)
  • Fabricia (32)
  • Miguel (7)
  • Olga(56)
  • Suzi (20)
  • Robson (25)
  • Victor (21)
  • Gabrieu (24)
  • Pr. Felipe (40)

Inventário

result

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: