27º Dia: Hoje é o dia da caça!

Deixe um comentário

10 de dezembro de 2014 por bossolon

Campinas. Dia 09/12/2014

Caro diário. Foi difícil limpar a ala do hospital. Seguimos pelos corredores principais que deveríamos seguir até a ala que precisávamos chegar. A maioria dos zumbis eram zumbis comuns ou corredores. Como estávamos bem armados não era difícil de lidar com eles.

Mas em certo momento, muitos deles saíram dos corredores e salas à nossa frente. Não tivemos escolha a não ser entrar em um corredor próximo e recuar. A maioria era corredor então tivemos que correr também. Jonas que havia ficado para trás foi pego pela horda. Isso os manteve ocupados enquanto nos abrigamos em uma sala. Matamos os zumbis dentro da sala e usamos as camas como barricadas. Ficamos ali escondidos esperando a horda passar.

Houve um momento, contudo que parecia silencio. Abrimos uma fresta da porta para dar uma espiada. O que vimos foi cerca de 15 ou 20 zumbis parados imóveis. Entre eles, apenas um olhava para a sala. Um blooder.

_ O que vamos fazer? É igual a situação do shopping _ falei _ Eles estão esperando sairmos!

_ Não há outra saída? _ perguntou Nolan.

_ As janelas do hospital possuem grades por questões de segurança. _Explicou Roberto

_ Tsc… essa segurança acabou com a gente!_ Disse Thonny_ Parece que teremos que enfrentá-los

_ Ficou maluco! Tem uns 20 zumbis la fora e aquele blooder! _ Eu disse

_ Pelo que parece, aquele blooder é como um líder. E o que ele faz é morder e deixar a vítima se transformar, certo? Eu tenho um plano… mas envolve trazer ele pra cá! _ Disse Thonny _ Hoje é o dia da caça!

O plano de Thonny era maluco, mas não tínhamos melhor opção. Com o coração batendo forte abrimos a porta lentamente. Victor assobiou pra chamar a atenção do blooder. Aparentemente ele mordeu a isca e veio em direção a Victor. Fomos recuando pra fazê-lo entrar na sala. Alguns zumbis entraram com ele. Mas assim que ele entrou, Nolan fechou a porta.

Os zumbis do lado de fora começaram imediatamente a tentar abri-la. Nolan e Roberto seguravam a porta enquanto eu, Thonny e Victor cuidávamos dos zumbis que entraram. O blooder foi em direção a Nolan e Roberto, mas Thonny o agarrou e o jogou pra trás.

Começou o que parecia uma briga entre os dois. Algo que eu nunca imaginaria ver em um apocalipse zumbi. O motivo é que o blooder parece ser mais inteligente que os demais. O suficiente pra perceber que um facão na cabeça é a morte. Acho isso porque ele desviou a cabeça quando Thonny atacou com o facão e, ao invés de acertar a cabeça, Thonny acertou o ombro da criatura.

É difícil descrever tudo que acontecia, pois tinham alguns zumbis para cuidarmos e Thonny estava ocupado com o Blooder. Eu e Victor cuidávamos dos zumbis para que não se aproximassem de Thonny. Ao que parece, os zumbis próximos protegiam o blooder de alguma forma. Enquanto tentávamos lidar com os zumbis dentro da sala, Roberto não conseguia resistir e deixou abrir uma fresta da porta. Isso foi o suficiente para um zumbi meter a cabeça dentro da porta e morder a mão de Roberto.

Devido a mordida, Roberto ficou em transe e se afastou. Victor teve que deixar os zumbis comigo e correr para fechar a porta. Ele foi com tanto impulso na porta que não só a fechou, como arrancou a cabeça do zumbi que tinha enfiado a cabeça para dentro. Enquanto isso, Thonny tentava manter o blooder afastado com a mão em seu peito enquanto tentava acertá-lo com o facão.

A situação estava perigosa demais. Roberto surtou e queria sair da sala. Ele queria voltar à ala segura e curar sua mão. Victor, sem paciência arrancou a mão do homem com o facão, assim como Pink fez outro dia. Isso deixou Roberto tão assustado que desmaiou na hora. Alguns zumbis foram em direção ao homem, mas eu não podia fazer nada pois estava tentando ajudar Thonny.

Foi Victor quem se afastou da porta e moveu uma cama até a mesma para segurar por um tempo. Depois ambos, Victor e Nolan mataram os zumbis próximos à Roberto. Me inspirando um pouco na ideia de Victor, eu empurrei uma cama para prender o blooder contra à parede, o que deu oportunidade ao Thonny de acabar logo com ele.

A situação mudou completamente depois de matar o blooder. Os zumbis pararam por alguns segundos suficiente para matarmos os que estavam na sala. Os zumbis do lado de fora continuaram seu caminho pelo corredor.

Nós pudemos sentar e respirar um pouco. Roberto estava desmaiado e nós exaustos. Tivemos que levá-lo de volta antes de continuarmos. Felizmente, não tivemos outro imprevisto no caminho. Conseguimos lidar com os demais zumbis dos corredores. E fechar os outros ainda contaminados. Assim, chegamos à ala que queríamos por volta das 15:00.

Catarina nos arrumou uma boa quantidade de medicamentos para Gabriel e mais alguns para cuidarmos de Michael. Mas Roberto estava muito mal. Estava claro que ele não conseguiria resistir. Thonny foi direto ao assunto e disse que ele teria que ser sacrificado. Não podiam deixá-lo se transformar.

_ Não! Não! Eu não quero morrer! _ Dizia o homem assustado.

_ Deixe ele! Ele ainda pode se salvar! _ gritava Catarina ficando entre o homem e Thonny.

_ Ele não vai durar nem uma hora assim! _ Disse Thonny. _ Se ele morrer, ele volta como um deles! E você irá por em risco a vida de todos aqui!

As pessoas em volta pareciam muito assustadas. Se escondiam dentro das salas ou choravam à porta.

_ Nós temos pessoas doentes aqui! Temos uma menina com câncer, um homem com marca-passo! Não posso deixar que eles vejam esse tipo de coisa!_ Protestou Catarina.

_ tudo bem _ Disse Thonny, aparentemente entendendo o ponto dela _ Mas aconselho que vocês o tranquem. Se ele morrer… devem acertar a cabeça, antes que ele volte.

_ Me deixem sair _ Disse o homem _ Desde que tudo isso começou eu estou aqui dentro desse hospital. Já que vou morrer mesmo… me deixem sair.

Como era o ultimo desejo dele, entregamos uma arma a ele e ele saiu. Observamos o homem seguir pelo estacionamento andando e atirando nos zumbis que se aproximavam. A chuva caia lentamente, mas com pingos grossos. Nós também nos preparávamos para ir.

Beatriz se despedia de Gabriel enquanto esse lhe entregava um desenho que pintara. Gabriel se demonstrou uma pessoa meiga com o pessoal do hospital.

_ Sabem _ disse Catarina. Se quiserem, podem ficar aqui. Vocês, os feridos, Gabriel!

Victor parecia relutante. E Gabriel insistia para que eles ficassem

_ Precisamos da sua ajuda la. Sabe disso. _ Disse Thonny a Victor.

_ Meu irmão é a única coisa que restou pra mim. E esse parece o melhor lugar pra ele. _ Disse Victor depois de um tempo pensando _ Eu sinto muito.

_ Quando tudo isso acabar e não tiver mais essa guerra _ Eu disse_ Você é bem vindo pra ficar conosco. Comigo, com Fabricia, Camila e os outros. Você é um de nós desde aquele dia na farmácia, lembra?

_Sempre, mano…

Nos despedimos com um aperto de mão e um abraço. Seguimos para o caminhão enquanto Victor e Gabriel entravam o hospital com catarina e os outros. No caminho de volta, cruzamos com Roberto que, cansado de tanto andar caia no chão de joelhos. Apesar de eu estar muito interessado no homem, o caminhão seguiu e eu apenas pude ver de longe Roberto apontando a arma para sua cabeça e depois seu corpo cair sem vida no chão sendo cercado por zumbis logo em seguida.

O fato é que quase morremos hoje. E outro dia no shopping também. Esses trabalhos estão ficando perigosos. Sinceramente, eu só quero que essa rivalidade entre a Liberdade e a Lei acabe para ficarmos em um lugar totalmente seguro. Eu queria que todos ficássemos unidos. Todos do meu grupo, pelo menos. Mas Alan preferiu se juntar à Liberdade e Victor ficou no hospital para cuidar do irmão.

Ao voltar para a fazenda tivemos que explicar tudo à Derek, que não gostou muito de perder mais membros, especialmente Victor que era um dos bons ali. Metade da vala já havia sido cavada nesse meio tempo. Faltava agora o outro lado. Firmaríamos duas pontes, uma na ferente e outra atrás da propriedade.

_ Estava preocupada. Sempre que você sai fico com medo que vocês não voltem mais. _ Disse Fabricia enquanto eu me sentava ao seu lado no sofá. Miguel já estava dormindo no colo da mãe.

_ Eu também…. Mas eu vou fazer de tudo pra voltar! Eu não vou abandonar vocês. Nenhum de vocês.

_Eu sei disso

_ Nós todos sabemos disso _ disse Camila que entrava na sala, acompanhada de Felipe e Antonio. _ Você sempre foi assim, apegado aos amigos.

Logo depois, Pink, Nolan e Jim se juntaram a nós para conversar. E, apesar de tudo que aconteceu hoje, aquelas pessoas realmente me faziam me sentir em casa.

Grupo

A Lei

A Liberdade

Hospital

Pr. Felipe (40)

Derek (28)

Xico (31)

Catarina (29)

Antonio (61)

Tonny (26)

Leleu (27)

Osvaldo (51)

Miguel (7)

Pink (19)

Carlinhos (15)

Beatriz (21)

Camila (21)

Jim (23)

Alan (35)

Victor (21)

Mateus (20)

Nolan (29)

Marcos (33)

Gabriel (24)

Fabricia (32)

Josh (21)

Sheila (29)

Raquel (24)

Laiza (25)

Ronaldo (26)

Michael (43)

Beth (45)

Inventário:

result

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: