40º Dia: Trabalho de estágiário

Deixe um comentário

23 de dezembro de 2014 por bossolon

Campinas. Dia 23/12/2014

Caro diário. Novamente tive pesadelos. Talvez o som da chuva forte de madrugada tenha contribuído para isso. Por causa da chuva eu me recusava a sair da cama. Então fiquei ali por um bom tempo antes de levantar e ir tomar café.

_ Bom dia. _Cumprimentou Raquel que ainda preparava o café _Parece que vai chover o dia todo

_ Poi sé… Pelo menos não vai mais faltar água _ Falei

_ Nem comida _ disse enquanto colocava dois pedaços de pães caseiros com manteiga aviação e um copo de leite com café na minha frente.

Ainda enquanto eu tomava café Osvaldo entrou na cozinha e se sentou para tomar café também. Em pouco tempo, mais algumas pessoas se juntaram a nós: Pink, Mateus, Derek, Tonny, Antonio, Felipe e Jim.

_ Assim que a chuva der uma acalmada _ Falou Osvaldo Precisa pegar mais barris de água. Pra substituir esses. Aí sempre que um tiver cheio a gente poe os outros.

_ Precisamos ir atrás de filtros também. _ Sugeriu Mateus_ Mesmo com a tela barrando a maior parte da sujeira, é bom filtrar.

_ Mesmo assim, acho que não vai purificar por completo _ Acrescentou Pink

_ Uma vez eu li que da certo se colocarmos em garrafas pet por uns dois dias no sol… _Disse Mateus

_ Quer que a gente traga quantas garrafas PET? E senão fizer sol? _ Retrucou Derek

_ É só colocar cloro _ Disse Antonio _ A gente faz muito disso quando vai acampar ou na fazenda. Coloca uns pinguinhos de cloro depois de filtrar que resolve. Nesses lugares que vendem água deve ter cloro e equipamentos pra medir.

Não queríamos perder tempo, então partimos logo depois do café, mesmo com chuva. Na verdade, a chuva era até boa porque disfarçava nosso cheiro e os zumbis ficam mais lentos na chuva.

Primeiro fomos até a loja de construção pegar mais baris de plástico pra água. Haviam alguns zumbis que entraram la nos últimos dias, mas não foi tão difícil cuidar deles. Principalmente agora que temos armas e a chuva abafa o som dos tiros.

Depois fomos até a loja de água que tínhamos ido da outra vez. Pegamos o maior numero de filtros de água que conseguimos. Tentamos pegar os maiores, mas a maioria eram feitos para galões de água. Seria difícil despejar água direto do barril. Antonio foi conosco para pegar o estojo com equipamento para medir o PH e o cloro.

Por ultimo, passamos em um mercado que ficava no caminho. Na John Boyd tem muitas lojas e mercados. E muitos zumbis também. Entramos com o caminhão pela área de carga e descarga. Havia menos zumbis por la e acesso ao estoque. Enquanto Derek, Tonny e Pink cuidavam dos zumbis eu, Mateus e Antonio carregávamos fardos e fardos de refrigerante. Depois de carregarmos tudo que aguentávamos e , como estava ficando cheio de zumbis pela rua, voltamos para o hospital.

Não tem muito o que falar da parte da tarde, porque foi muito chato! Primeiro ajudamos Osvaldo a trocar os tambores de captação de água. Usamos as mesmas tampas para não ter o trabalho de cortar e colocar uma tela de peneira nas tampas novas.

Depois disso o trabalho era ainda mais chato. O trabalho era bem simples: Pegavam galões de água vazios e mergulhavam nos tambores até encher. Depois viravam nos filtros e abriam a torneira deixando cair em outro galão vazio. Depois que esse estava cheio, virava ele em um barril vazio (pegamos dois barris a mais para isso). Depois que enchia um barril, Antonio acrescentava o cloro. A explicação pode ser rápida mas o processo era muito lento.

Enquanto esperávamos com a torneira dos filtros abertos, abríamos os fardos de refrigerantes e esvaziávamos do lado de fora do hospital. Depois tínhamos que lavar as garrafas PET. Usamos um galão com água filtrada para lavar, os outros galões, depois de filtrados seriam mais usados para o consumo.

A ideia é simples. Vamos filtrar e usar cloro para purificar a água durante os dias de chuva e quando fizer dias de sol enchemos as garrafas PET e colocamos no sol para purificar com U.V. Ainda temos água potável que pegamos outro dia, então não temos necessidade de pressa.

Bem… eu disse que a tarde toda foi uma chatice. Em um momento de tédio Derek até considerou ir matar os zumbis no hospital e liberar mais alas, mas Catarina barrou.

_ Não quero vocês arriscando que entrem zumbis nessas alas seguras só porque estão entediados _ Dizia a chefe do hospital

_ Com todo respeito, mas fazer esse trabalho é uma merda! _ Disse Derek

_ É uma merda, mas é necessário. Se estiverem cansados e quiserem fazer outra coisa, tem muita faxina pra fazer!

_ Uma hora ou outra vai ter que limpar as outras alas e aquela faculdade. Esses zumbis podem colocar em risco a segurança do hospital e seus doentes!

_ Se o problema for o risco dos zumbis entrarem para a ala segura, eu tenho uma sugestão _ Disse Mateus.

Todos o olharam atentos. Cada ideia do Mateus sempre eram uma ideia boa.

_ Bem.. há outras entradas no hospital. Nós poderíamos entrar por essas outras entradas e ir matando os zumbis. A medida que os matarmos, trancamos e fazemos dela alas seguras. Podemos seguir matando os zumbis a partir dessas novas alas até limparmos o hospital inteiro. Assim, não colocaria em risco essas alas seguras porque estaríamos vindo do outro lado do prédio.

A ideia foi aprovada por Catarina e Osvaldo, mas não seria posta em prática hoje. Eles realmente queriam que fizéssemos o trabalho mais entediante.

_ Tsc… não acredito que tenho que ficar fazendo esse tipo de coisa… _ Resmungava Derek o tempo todo.

_ Bem… ela é a chefe aqui, você não é mais nada _ eu disse e tive que aguentar seu olhar furioso pra cima de mim.

Passamos a tarde toda fazendo a mesma coisa. Filtrando galões de água e jogando refrigerante fora… um completo desperdício. E pela primeira vez durante um apocalipse zumbi eu senti que estava fazendo um trabalho de estagiário. Senti até uma nostalgia do escritório.

Á noite, novamente nos reunimos no quarto 104 pra tocar violão e conversarmos. A mesma turma de sempre: Eu, Jim, Pink, Camila, Lucia, Fabricia, Victor e Gabriel.

_Bela flor _ Eu disse ao entrar no quarto reparando na flor ao lado da cama de Lucia

_ Foi Victor quem trouxe. _ Disse sorrindo para o lado de Victor_ Enquanto vocês iam atrás de galão de água, Victor, Camila e o pastor foram até uma floricultura trazer flores.

Só então olhei em volta e pelo corredor e reparei que o hospital estava repleto de flores em vasos. Passei tanto tempo fazendo um trabalho mecânico do lado de fora ou perto da porta do hospital que nem reparei nessa mudança.

_ Eu acho que ele queria se desculpar pelo que falou ontem _ Sussurrou Lucia para que Victor não ouvisse_ Eu até achei fofo da parte dele.

Amanhã é véspera de natal (sim, todo mundo vinha perguntar isso pra mim). Raquel planeja fazer uma ceia ou algo do tipo. É uma pena não termos eletricidade, senão poderíamos encher o lugar com pisca-pisca. Não vai ser um natal cheio de festa como em todos os anos, eu diria… mas espero que seja um natal tranquilo pelo menos.

Fim do dia 40

103

104

105

Resto do hospital

Derek (28)

Lucia (17)

Dario (23)

Catarina (29)

Tonny (26)

Victor (21)

Mateus (20)

Osvaldo (51)

Antonio (61)

Gabriel (24)

Camila (21)

Beatriz (21)

Pr. Felipe (40)

Pink (19)

Fabricia (32)

Raquel (24)

Jim (23)

Miguel (7)

Alan (35)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: