83º Dia: Seu discurso é igualzinho ao discurso do Derek.

Deixe um comentário

5 de fevereiro de 2015 por bossolon

Campinas. Dia 04/02/2015

Caro diário.

Logo pela manhã, quando eu saia da cozinha após ter tomado café, Catarina acenou e me chamou para conversar a sós na sala dela. Segui imediatamente até sua sala. Assim que entrei Catarina, que já estava sentando-se à sua mesa, me ordenou que fechasse a porta. Obedeci prontamente e sentei-me na cadeira do outro lado da mesa. Aquilo tudo parecia muito com aqueles momentos na empresa em que seu chefe te chama para pronunciar algo sério (como sua demissão ou algo do tipo).

_ Dário, eu vou ser direta com você. _Começou Catarina assim que me sentei _Eu vi que você não gosta muito do Derek….

_Bom… sim.. quer dizer _Eu disse me ajeitando na cadeira em frente a ela _Eu o respeito e tudo o mais… mas o Derek é um babaca na maioria das vezes….

_É sobre isso que eu queria falar. _Disse Catarina num tom sério _Acho que temos que expulsar o Derek dessa comunidade!

_O que?! Como assim?! _Aquilo realmente me assustou. Derek era realmente um babaca, mas nunca pensei em expulsar alguém da comunidade. _Mas… Assim?

_Estou pensando em conversar com todo mundo por aqui. Já tenho conversado com algumas pessoas e sei que muitos aqui apoiariam a idéia.

_ Eles apoiariam expulsar Derek? _Aquela conversa realmente estava me assustando. _Ok. Como vão expulsar Derek?

_ Nos juntamos e mandamos que ele saia _ Disse Catarina numa simplicidade incrível.

_Esta maluca! _Me levantei da cadeira frustrado com a atitude dela _Tem milhares de zumbis la fora! O mundo ta um caos! Morte e hostilidade por todos os lados! E você pensa em manda-lo em bora assim!?

_Se mantermos ele aqui! Ele pode colocar em risco a vida de todo mundo aqui dentro! _Defendeu Catarina _Eu também não gosto da idéia, mas você viu o que ele fez com o garoto e viu as consequências!

_Olha eu sei que Derek é um babaca e ele merece ser punido! Mas não acho que entrega-lo à própria sorte la fora é uma maneira de punir! Isso vai nos tornar assassinos!

_Espera. Derek sabe sobreviver! E além disso ele provavelmente não estará sozinho. _Disse Catarina _Tenho certeza que algumas pessoas acabarão indo com ele. Thonny por exemplo…

_ Thonny? Você vai expulsar Derek e está com esperanças que Thoonny vá em bora com ele também!

_Eu sei que é uma medida drástica! Mas eu só estou tentando proteger esse lugar e essas pessoas.

Fiquei parado por um tempo respirando fundo e encarando os olhos negros de Catarina. Dei um suspiro e balancei levemente a cabeça.

_ Sabe de uma coisa _Eu disse depois de um tempo _Esse seu discurso é igualzinho ao discurso do Derek.

Catarina me olhou confusa, mas não sabia o que falar. Então continuei meu raciocínio.

_É necessário. Só estou tentando proteger esse lugar e essas pessoas… Estou fazendo o melhor que posso…. Parece o Derek falando, mas sem os palavrões. Ele pode ser um babaca _Eu disse depois de um tempo encarando-a _Eu não concordo com quase nenhum método dele. Mas não é ele quem sai por aí planejando te expulsar só porque não gosta de você.

Catarina abriu a boca como se quisesse responder, mas sua voz não saia. Antes que eu me virasse para ir em bora, contudo, alguém batia à porta e já entrava apressadamente. Quase me assutei com Osvaldo entrando pela porta bufando e suando. Parecia que ele tinha acabado de vir de uma corrida. Sua repentina entrada e a expressão em seu rosto fez Catarina levantar-se num pulo.

_O garoto.. Victor _Disse entre as pausas de sua respiração apressada _Beatriz o encontrou do na outra ala…. Ele deve ter saído sem que os outros o vissem e pegou algumas morfinas no estoque… Ele está tendo uma overdose.

A noticia me deixou completamente paralisado. Catarina, contudo, agiu bem mais rápido que eu. Saiu às pressas pelo corredor dando ordens à Osvaldo que pegue os equipamentos e o encaminhe para algum dos quartos. Osvaldo me chamou, tirando-me do transe e me pediu par air com ele. Corremos até uma outra sala próximo à sala de Catarina e pegamos uma maleta com vários utensílios médicos e um Desfibrador que ainda tivesse bateria.

Ao chegarmos na sala, Catarina já estava cuidando de Victor. Tivemos que abrir caminho pelas pessoas que se amontoavam em torno da sala chocadas ou assustadas com a cena. Deixei os equipamentos em uma mesa perto de Catarina. Felizmente não tivemos que usar muitos deles. Catarina apressou-se a bombear ar manualmente para os pulmões de Victor enquanto pedia para Beatriz afrouxar as roupas dele.

Catarina verificou a boca de Victor para ver se a língua não estava enrolada e em seguida o virou de bruços, com ajuda de Beatriz. Na verdade foi tudo muito rápido. Não demorou muito e Victor tossiu e vomitou, caindo desacordado, mas fora de perigo logo em seguida. Todos respiraram aflitos.

Osvaldo mandou que todos nós nos retirássemos e deixássemos Catarina tomar conta de tudo. Tivemos que obedecer prontamente enquanto o próprio Osvaldo fechava cortinas em torno da sala para que ninguém visse o que se passava la dentro ou para que Victor não nos visse amontoados caso ele acorde.

Tentamos nos manter focados durante a tarde de hoje, mas a cena de Victor tendo uma overdose nos deixava para baixo. Nem Miguel conseguia se concentrar nos estudos que sua mãe lhe passava. A chuva fina e o ar frio que durou a tarde toda piorava ainda mais os sentimentos, trazendo um ambiente de tristeza. Mas ninguém ousava reclamar da chuva, fazia dias que não chovia e estávamos começando a nos preocupar com a água novamente. O ar frio também era bem favorável, já que ultimamente tem feito muito calor.

Pink e Jim passaram o dia no telhado esvaziando as garrafas pets com água já potável na caixa d’água do hospital. Enquanto a própria chuva enchia os barris de água que provavelmente iriamos trabalhar amanhã.

Matheus trabalhou na plantação e depois que começou a chover apenas tirou o dia de folga (como alguns de nós) deixando que a chuva em si faça o trabalho de aguar a plantação. Raquel e Alan passaram o dia na cozinha, cozinhando alguns roedores e aves que Antonio matou com sue arco e flecha

Pouco depois do Jantar Antonio sugeriu que formássemos uma equipe de caça, para garantirmos carne. Segundo ele, seria mais para caçar roedores e aves por perto. Pois era melhor que nada. Thonny pareceu apoiar a idéia de Antonio. Eu ainda não me encaro comendo carne de ratos…. Mas se matassem um porco por aí, ficaria feliz em comer um pouco de bacon ou bisteca.

Camila estava bem quieta hoje. Acho que vou aproveitar mais tarde para tentar conversar com ela sobre o outro dia….

Fim do dia 83

103 104 105 Resto do hospital
Derek (28) Lucia (17) Dario (23) Catarina (29)
Tonny (26) Victor (21) Mateus (20) Osvaldo (51)
Antonio (61) Jim (23) Camila (21) Beatriz (21)
Pr. Felipe (40) Pink (19) Fabricia (32) Vanise (65)
Raquel (24) Miguel (7) Selmo (67)
Alan (35)

Isso ai galera!

Se vocês gostaram do capitulo ajudem a divulgar o trabalho.

Não tenho conseguido desenhar, mas tenho tentado dar mais detalhes às cenas, visto que estava faltando mesmo descrevê-las melhor.

Acho que está claro que a morte de Gabriel foi o estopim para desencadear essa evolução em diversos personagens. Mas ainda há mais coisas que servirão para desenvolver a trama.

Essa parte do arco do hospital está sendo utilizada para “evoluir” e trabalhar mais nos personagens. Para os amantes de ação, peço que tenham paciência, pois logo as hordas de zumbis apareceram e novos inimigos surgirão.

Alias. Se quiser interagir mais comigo (o autor) ou receber as psotagens assim que são lançadas. Podem curtir a página no facebook do Diário de Dário 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: